Salute

Você conhece a história da cirurgia de ostomia?

Atualmente temos uma grande variedade de técnicas e produtos para o cuidado da ostomia. Mas a ostomia já percorreu um longo caminho, desde a primeira colostomia realizada, há mais de 200 anos. Vamos conhecer a seguir a história do procedimento que salva tantas vidas atualmente!

Os primeiros registros da cirurgia de ostomia

A primeira cirurgia de ostomia registrada na literatura médica foi datada em meados de 1750. Mas foi apenas entre os séculos XIX e XX que o tratamento cirúrgico de diversas condições por meio das ostomias teve avanços mais significativos.

Da primeira colostomia realizada, outras cirurgias foram sendo tecnicamente possíveis, como a primeira ileostomia definitiva em uma jovem que sofria de colite ulcerativa, em 1943. Depois da ileostomia, a urostomia também surgiu, como oportunidade de corrigir cirurgicamente problemas no sistema urinário.

A primeira urostomia foi realizada em 1950 pelo urologista americano Eugene Brickel após um período de estudos e tentativas, que culminariam na técnica que, até hoje, é a mais difundida para a realização da ostomia urinária.

Bolsas de colostomia, urostomia e bases adesivas, utilizadas nas décadas de 60 e 70| Fonte: WOCN

A cirurgia consiste em criar um reservatório para a urina, utilizando um segmento do intestino delgado (o íleo), garantindo que o ostomizado possa continuar realizando suas atividades com total autonomia.

Celebridades que fazem ou fizeram uso da ostomia

A ostomia é uma intervenção cirúrgica relativamente comum – se você acompanha as novidades da Osto+, já sabe disso! De fato, estima-se que 1 pessoa a cada 1.000, na população geral, tenha uma ostomia!

Isso significa que, na prática, há todo tipo de pessoas com ostomias – dos anônimos aos famosos, dos trabalhadores aos Chefes de Estado!

A modelo inglesa Bethany Townsend veio a público através de suas redes sociais expor sua condição de pessoa ostomizada, postando fotos de biquíni, em que a bolsa aparecia, para encorajar outros a fazerem o mesmo e não terem vergonha de seus corpos.

Bethany, que sofre com a doença de Crohn desde os três anos, é colostomizada desde 2010.

Ao publicar as fotos para afirmar sua própria autoestima, a modelo acabou iniciando um verdadeiro movimento entre suas seguidoras, que tiveram coragem em exibir seus corpos (e suas bolsas de ostomia!) durante o verão, sem qualquer vergonha…

O futuro da ostomia

Pesquisadores brasileiros desenvolveram uma maneira de fixar a bolsa de colostomia através de ímãs, deixando para trás o uso de adesivos que podem causar irritações na pele.

Fonte: Folha de São Paulo

A interação se dá a partir de dois ímãs de neodímio implantados sob a camada intermediária da pele, cobertos por uma capa de silicone.

Para funcionar, os pesquisadores montaram uma estrutura circular com os dois ímãs exibindo um polo positivo e negativo. Ao se aproximarem, os polos opostos se atraem, conforme a ilustração acima, fazendo com que a bolsa consiga permanecer fixa sem que o ostomizado precise fazer uso de adesivos.

Ainda em fase experimental (em animais), a força magnética dos imãs consegue suportar uma carga de até 300 gramas, compatível com a bolsa parcialmente cheia, sem causar danos à circulação do corpo.

Com os resultados positivos, patentes já foram depositadas e o próximo passo da pesquisa é testar o artefato em humanos.

A ostomia é uma intervenção cirúrgica que tem um passado super interessante, e um futuro muito promissor, no sentido de promover cada vez mais conforto, segurança e autonomia para as pessoas que precisam dela… Então, aproveite todos os benefícios que a bolsinha traz no presente, e procure ter uma vida completa e feliz!


**Referências bibliográficas:**Wound – O-wm – The Ostomy Files: The Evolution and Innovation of Ostomy ProductsWOCN – January/February 2008, Volume :35 Number 1 , page 34 – 38Leden, At Van Der – Livro Baas op eigen buik (stoma)

Seu endereço de email não será publicado Required fields are marked *

*